O bom senso

Creio que podemos sintetizar a expressão “o bom senso” nas seguintes virtudes humanas: modéstia, gratuidade, mansidão e humildade. O bom senso faz parte da sabedoria popular, que ajuda muito no relacionamento entre as pessoas, porque cada indivíduo é valorizado na sua própria identidade. É também capacidade natural para reconhecer a diversidade no modo de agir de cada pessoa.

A pessoa modesta sabe se colocar na sociedade e reconhece seus limites, mas também põe seus dons a serviço do irmão. Sabe ainda que suas forças e possibilidades veem de Deus e se expõe como instrumento do bem comum. Age com simplicidade e não por ingenuidade, porque tem consciência de sua responsabilidade como também construtor de uma sociedade pautada pela coerência.

A gratuidade tem uma dimensão muito bonita. Conforme o dicionário é a “condição ou estado do que é oferecido de graça”, ou, a “condição do que é espontâneo ou injustificado”. Às vezes recebemos muito e doamos pouco, quase significando a realidade de injustiça. A vida, e toda a dimensão de sua existência, é um verdadeiro dom gratuito, que precisa ser preservado, inclusive com gestos concretos de agradecimento.

O bom senso supõe também a mansidão, que é uma capacidade interior de autodomínio, para não perder o equilíbrio nos possíveis relacionamentos conflituosos. É a brandura de gênio ou de índole; brandura na maneira de expressar-se; na doçura, na meiguice e na suavidade. Isso se revela inclusive no confronto com as pessoas que agem com maneiras mais agressivas, evitando levantar a voz de forma ruidosa e provocativa.

Por fim, o bom senso passa por um trajeto enraizado na força da humildade. Ela é uma virtude caracterizada pela consciência das próprias limitações, mas também pela modéstia e pela simplicidade. É realidade que contrasta profundamente com a cultura do poder, do domínio e da primazia do dinheiro. Portanto, saber receber e dar de graça, superando todo tipo de auto-suficiência.

Para que o bom senso seja bem entendido, a humildade não pode ser prudência de quem é tímido, nem medo de se expor e nem expressão de egoísmo. É só olhar para o jeito simples de Jesus agir, principalmente em relação aos pobres, sem desprezar ninguém, mas atento aos mais humildes. Ele teve preferência pelos sem nome na sociedade, usando de bom senso para com todos.

Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba.

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *