Todos iguais

Ao olhar para a identidade das pessoas, podemos descobrir que a existência humana apresenta formas diversas de ser. Dizemos que, perante Deus, somos iguais, todos criados à sua imagem e semelhança. Essa realidade só tem sentido na visão do cumprimento do direito e da justiça. Mas a visão, que vem do mundo, é outra. As relações são de poder entre desiguais, que afeta cada pessoa na convivência social.

Não é fácil realizar um projeto baseado totalmente na justiça e no direito, que evite violência e desarmonia nas relações fundamentais entre os “desiguais”. O capricho do egoísmo é massacrante e distancia as pessoas, cria isolamento e individualismo. O fechamento impede o indivíduo de enxergar as necessidades vividas pelos impossibilitados de relações fraternas, e os nivela por baixo.

Os projetos humanos não deveriam ser diferentes dos que são de Deus. Os fundamentos da Palavra de Deus remetem para o serviço aos mais necessitados. Esse é o caminho que nos torna semelhantes ao Criador, porque indo ao encontro dos mais fragilizados da sociedade, estaremos indo na direção de Deus. Ele nos acolhe nos pobres e no serviço prestado a eles.

O projeto de Deus inclui e une. O mundo tem facilidade para separar ricos de pobres, melhores de piores, fortes de fracos, brancos de negros, urbanos de rurais etc. Somos desiguais quando privilegiamos alguns e desprezamos outros, causando uma sociedade de desiguais, ou até de inimigos, de um agredindo outros com práticas violentas.

É lamentável conviver com preconceitos humanos, com barreiras que impedem a convivência e fragilizam a vivência do amor fraterno. No cume de toda diferença está a briga pelo poder e pela “prosperidade” econômica. A desonestidade passa a ser a alma da desigualdade, porque tira a possibilidade de condições de vida digna para muita gente.

O vírus do poder consegue infectar muitos privilegiados. É uma tentação constante e contínua. Isso seria saudável se houvesse também o vírus da fraternidade e da preocupação com a justiça social. Pelo menos criaria possibilidade de igualdade entre as pessoas. Seria até bom pensarmos, quais são os nossos preconceitos que geram desigualdade?

Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba.

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *