Igreja de Santa Rita (1854)

Prosseguindo nosso estudo sobre as igrejas mais antigas em nosso território arquidiocesano, falaremos neste mês da Igreja de Santa Rita, localizada no coração de Uberaba. Os historiadores são unânimes em dizer que o período de maior prosperidade de Uberaba no século XIX foi entre 1820 a 1859. Foi nessa época que a localidade, vencendo as etapas de dificuldades de sua fundação, alcançou as prerrogativas de vila e cidade.

Neste ambiente de comércio intenso e desenvolvimento constante, sob a proteção de seus padroeiros São Sebastião e Santo Antônio, a fé do povo se expandiu e mais uma capela foi erigida, dedicada a Santa Rita das Causas Impossíveis.

A devoção a Santa Rita de Cássia estava no auge naquele momento ainda que a monja agostiniana da Idade Média não tivesse sido canonizada, o que viria a acontecer apenas em 1900 pelo Papa Urbano VIII. Este é mais um exemplo onde o reconhecimento popular da santidade e da intercessão por milagres fizeram aumentar a devoção e com isso a construção de templos.

Cândido Justiniano da Lira Gama, devoto de Santa Rita, e em cumprimento de uma promessa para se livrar do vício da bebida, mandou iniciar a construção em 1854 da pequena capelinha em louvor a santa.

Em 1877, o tempo, implacável com a construção singela, solicita reparos urgentes que são providenciados pelo negociante Major Joaquim Rodrigues de Barcelos, também atendido por Santa Rita em seu pedido de se tornar pai. Em 1881, os padres dominicanos se estabeleceram em Uberaba e realizaram sua catequese na igreja de Santa Rita até que ela se tornou pequena com o crescimento da comunidade.

Os ritos sagrados foram transferidos para a imponente Igreja de São Domingos inaugurada em 1904 e a igrejinha de Santa Rita permaneceu fechada ao culto religioso durante muitos anos, sofrendo com o desuso, mais uma vez, as consequências do tempo.

Enquanto outras igrejas eram construídas na cidade, Santa Rita se achava em ruínas e foi quando por volta de 1939 que Gabriel Totti requisitou e conseguiu do recém-criado Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) o título de Monumento Histórico para a graciosa construção o que viria a contribuir para sua restauração por meio de recursos públicos.

Com a criação da Fundação Cultural de Uberaba, seu primeiro Diretor – Jorge Alberto Nabut – e o Arcebispo Metropolitano de Uberaba – Dom Benedito de Ulhôa Vieira – inauguraram o Museu de Arte Sacra no dia 11 de maio de 1987. O museu conta com acervo considerável de arte sacra e litúrgica. São celebradas missas na igreja todo o dia 22 de cada mês sob a responsabilidade da Paróquia de São Domingos.

Fonte: Hélio Siqueira – Fundação Cultural de Uberaba e “Memória da Arquidiocese de Uberaba” por Pe. Prata.

Por Vitor Lacerda

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *