Paróquia Nossa Senhora do Desterro (1857) – Desemboque

No espaço dedicado à história e memória eclesiástica local, apresentaremos aos nossos leitores um pouco das capelas e paróquias mais antigas de nossa arquidiocese que ainda estão em funcionamento. Temos, pois, a concepção de que as histórias particulares dessas igrejas centenárias são fragmentos valiosos da história desta Igreja constituída em Uberaba que se comprometeu católica e apostólica. E sendo a história a mestra da vida – historia est magistra vitae – estamos igualmente confiantes, na contramão de um caráter propriamente científico, da ação do Espírito Santo no percurso secular deste Arcebispado, que tendo atravessado colinas e riachos, tendo evangelizado gente índia e europeia, tendo erigido altares para escravos e barões, sabe nos ensinar por meio da valiosa lição de se vislumbrar o passado, a obediência e santidade mesmo em meio aos mais difíceis obstáculos do tempo.

Que este nosso percurso – longe de ser pioneiro – seja marcado pela evocação meditativa daquele grande historiador da Igreja, o francês Pierre Pierrard: “Santa Igreja, nossa Igreja, venho dizer-te, vasta e velha nave barroca, com tua linha de flutuação sempre ao nível das vagas, que sem ti nós não passaríamos de miseráveis barcaças perdidas na neblina e na tempestade”.

O núcleo urbano de Desemboque foi um dos mais importantes e ricos centros de mineração e povoamento do Triângulo Mineiro no século 18, chegando mesmo a ser considerado o “berço” de toda a região. Testemunho dessa história e marca da fé e da saga dos bandeirantes é a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Desterro; templo singelo, porém autêntico exemplar da tradição arquitetônica regional.

Com poucos elementos documentais sobre sua construção, os autores do seu projeto e sua ornamentação interna são desconhecidos, assim como as datas de início e conclusão da obra. Pelas características, conclui-se que a construção tenha sido iniciada em meados do século 18, tendo o altar-mor a inscrição de 1762. Ao longo dos séculos 19 e 20, passou por sucessivas reformas, que não chegaram a comprometer sua arquitetura; e cujas datas foram registradas num dos tirantes da nave. A fachada, de linhas simples, parece trazer efeitos destas intervenções posteriores, impressos na estranheza da composição do frontispício.

A Igreja apresenta planta simples, constituída de nave, capela-mor, e sacristia lateral única, à esquerda. Detalhe interessante é o pequeno vão existente entre o corpo da nave e o da sacristia, deixando bem marcada esta diferenciação. A ausência de torres é compensada por uma sineira isolada, numa curiosa solução em madeira e vedada com adobe.

Nossa Senhora do Desterro é muito venerada na Itália como a Madonna degli Emigrati, sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro.

Atualmente, Desemboque é um distrito do município de Sacramento e desde o episcopado de D. Benedito de Ulhôa Vieira seu pároco passou a ser o mesmo da Paróquia do Santíssimo Sacramento – recentemente elevada à condição de basílica – cujo atual pároco é o Pe. Sérgio Márcio. O templo destinado à senhora do Desterro foi tombado por ser considerado patrimônio histórico estadual pelo Iepha em 1984.

Fontes: Iepha – Instituto Estadual do Patrimônio História e Artístico de Minas Gerais e “Memória da Arquidiocese de Uberaba” de Pe. Prata.

Por Vitor Lacerda 

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *