Assembleia aprova destinos dos católicos nos próximos três anos

Cerca de 4 mil agentes de pastorais participaram nesta terça-feira (15), em Uberaba, da 1ª Assembleia do Povo de Deus. O evento da Arquidiocese dividiu-se entre assembléias espalhadas por escolas e igrejas da cidade e missa solene no ginásio Marista.

A celebração eucarística marcou também o encerramento do Ano Santo da Misericórdia na Arquidiocese de Uberaba. A missa foi presidida por dom Paulo Mendes Peixoto e concelebrada por cerca de 80 sacerdotes. Os 4 mil fiéis presentes na cerimônia representaram as 65 paróquias dos 20 municípios que compõem a arquidiocese.

No entanto, o grande foco da assembleia foi mesmo as 42 oficinas realizadas no decorrer dia. Espalhadas por 16 instituições da cidade, as assembléias, seja com 400 integrantes como a dos Ministros da Comunhão Eucarística ou seis pessoas, como o Movimento Sagrada Face, debateram e aprovaram os caminhos que os católicos irão seguir nos próximos três anos.

As assembléias, em grande maioria, ratificaram diretrizes que já vem sendo adotadas pela Igreja Católica, muitas já com mudanças propostas pelo papa Francisco. As principais novidades foram verificadas na Pastoral Familiar. A partir de 2017 fica abolida a realização de cursos de noivos. Com a medida aprovada na assembleia a preparação dos noivos será feita por acolhimento na residência do casal acolhedor. Serão várias visitas de maneira a preparar bem os postulantes ao matrimônio. Também nesta assembleia foi aprovada a criação de uma comissão para tratar de casos especiais, como casados em segunda ou mais união.

Ainda na oportunidade, foi anunciado pelo coordenador Nacional da Pastoral Familiar, padre Jorge Filho, a nomeação de monsenhor Célio Lima, da Paróquia Santa Teresinha, como assessor Pedagógico de Casos Especiais da CNBB.

Nas pastorais do Dízimo e MECE – Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística as opções foram para melhor formação dos seus agentes. Em ambos haverá cursos do Documento 106 da CNBB e Bíblia respectivamente. Em outros, como os movimentos dos jovens, discutiu-se e aprovou um trabalho mais unificado da juventude.

Diante dos apontamentos da assembleia, o coordenador arquidiocesano de Pastoral, padre Márcio André Soares informa que serão editados dois documentos: Diretório Pastoral e Plano Pastoral (triênio 2017/2019). “Com a assembleia cada pastoral pode repensar sua identidade e caminhada, traçando novos planos. Agora eles serão postos em prática, sem nenhum crivo do clero, propiciando a arquidiocese ter uma estrutura completa de pastoral a partir de 2019,” ressalta padre Marcio.

Para Dom Paulo Peixoto o povo correspondeu ao chamado comparecendo em grande número. “Agora é por em prática as mudanças fortalecendo as paróquias na proposta de comunidade de comunidades,” afirmou o arcebispo.

Rubério Santos
Assessor de Imprensa

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *