Papa Francisco: os melhores sacerdotes devem ir às periferias

O Papa Francisco recebeu na quarta-feira (03/05) um grupo de noviços salesianos em sua residência na Casa Santa Marta. A audiência não constava na agenda oficial do Papa, mas se tornou pública através de uma transmissão ao vivo no Facebook.

Durante 50 minutos, Francisco respondeu a perguntas de vários candidatos ao sacerdócio, noviços não só italianos, mas também da Albânia, Croácia, Malta e Síria. Eles foram guiados pelo Pe. Guido Enrico, encarregado pela formação na Itália.

“Obrigado por terem vindo”, disse o Papa. “Quando vi o pedido, disse: “Os salesianos? Deixem que venham”, assim os cumprimentou Francisco, que contou parte de sua formação num colégio da congregação, “onde aprendeu o amor por Nossa Senhora”.

Discernimento

Ao responder uma pergunta sobre os critérios para o discernimento vocacional, Francisco afirmou que estes devem ser normais: “Cuidado com os jovens com cara de certinhos. Devem ser alegres, esportivos, normais. Que assumam suas responsabilidades”.

O que é importante, sublinhou o Papa, é que sejam acompanhados, porque no caminho “existem muitas surpresas de Deus ou que não são de Deus”. “Ajudá-los a se afastarem da hipocrisia. Esta é uma peste: a hipocrisia na Igreja!”

Os melhores na periferia

E aos Superiores disse: “Escolham bem quem enviar às periferias, sobretudo as mais perigosas. Os melhores devem ir para lá! ‘Mas este pode estudar, fazer um doutorado…’. Não, manda este. ‘Ali tem máfia’. Mande ele. Para as periferias, é preciso enviar os melhores”, reforçou Francisco.

Classe média da santidade

A um jovem de Turim, que lhe pediu uma palavra sobre a santidade, o Papa disse: “A santidade é muito simples: ‘Caminhe na minha presença e seja irrepreensível’. Ponto. Esta é a melhor definição, feita por Deus a Abraão. Atualizando um pouco, creio que hoje se pode ser santo. Há muitos na Igreja, muitos. Pessoas heroicas, pais, avós, jovens. Os santos escondidos, como aqueles que pertencem à ‘classe média da santidade’, que não se veem, mas existem.”

Fonte: br.radiovaticana.va

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *