A ESPERANÇA

Olá!

Assim nos ensina o Apóstolo Paulo: “Agora, portanto, permanecem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor. A maior delas, porém, é o amor” (1Cor 13,13).

Certamente o amor é maior. Mas vamos conversar um pouco sobre a esperança.

Em meio à nossa realidade atual, pode ser difícil manter a esperança, não é mesmo? Pandemia, desabamento, inundações e outros tantos sofrimentos a que somos submetidos que não aparecem nos noticiários, mas causam grande dor.

Então, eu pergunto: assim como o amor é maior que todas as coisas, há dor maior que a dor que o Cristo sofreu por nós? É claro que isso não diminui sua dor – não foi essa a intenção do Crucificado. A dor que você sofreu ou está sofrendo é uma realidade que não pode ser simplesmente apagada, nem mesmo esquecida, mas pode (e deve) ser superada no devido tempo.

Mas quando será esse tempo?

Ah, o tempo… esse “ser” invisível que se esconde em nosso horizonte, prestes a nos executar com suas lanças que giram, rápida ou lentamente, controlando nossas ações, dominando nossos dias e noites. Pois bem: e se eu disser que esse tempo de superação já começou, você acreditaria em mim?

Eu sei, não é o que parece. Veja essa pandemia, parecia estar sendo controlada com o auxílio da boa ciência e, de repente, surge uma tal variante que abate nossa expectativa.

No entanto, é justamente nessa hora que desponta a esperança. E assim como o amor é maior que a esperança, a esperança é maior que a realidade. Não se trata de ignorar ou tentar esconder a realidade, como se fosse uma “dorzinha”. E sim, com auxílio da fé, perceber que não foi em vão a dor maior que toda dor, sentida por Ele como prova do amor maior por todos nós. Aquela dor iniciou um novo tempo, o tempo a que me referi antes.

Agora você acredita em mim? Ou melhor, você acredita naquele que morreu na cruz por nossa causa? Aquele que tem por nós o amor que tudo suporta e tudo supera? Se sua resposta é “sim”, então a esperança está dentro de você. Solte seu grito de esperança! Um grito que seja maior que o grito da dor. O tempo é agora!

Voltando ao ensinamento do Apóstolo Paulo: mesmo sendo maior, o amor precisa da esperança – sem esquecer da fé.

Luiz Villela
“in viam pacis”

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por
© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por