A importância das peregrinações e a peregrinação dos propedeutas a Tambaú

As peregrinações fazem parte da religiosidade e da piedade popular e estão presentes na Igreja desde os primeiros séculos do cristianismo. É muito importante para os católicos visitar os lugares santos. Segundo o CIC (Catecismo da Igreja Católica), “as peregrinações evocam nossa caminhada pela terra em direção ao céu. São tradicionalmente tempos fortes de renovação da oração. Os santuários são, para os peregrinos, em busca de suas fontes vivas, lugares excepcionais para viver ‘como Igreja’ as formas da oração cristã” (CIC 2691). Noutra passagem, assim expressa o CIC: “o senso religioso do povo cristão encontrou, em todas as épocas, sua expressão em formas diversas de piedade que circundam a vida sacramental da Igreja, como veneração de relíquias, visitas a santuários, peregrinações, procissões, via-sacra, danças religiosas, rosário, medalhas, etc” (CIC 1674).

No dia 15 de novembro, a comunidade do Seminário propedêutico de nossa Arquidiocese fez uma peregrinação ao santuário de Nossa Senhora Aparecida, que fica no município de Tambaú, no interior de São Paulo. Nesse santuário se encontram os restos mortais do Beato Padre Donizetti e a Imagem Milagrosa de Nossa Senhora Aparecida adquirida por ele. “Esta viagem ficará marcada para sempre em meu coração” foi o que disse o propedeuta Wellington que nunca tinha feito uma experiência como esta de visitar o lugar onde residiu um padre santo, deparando-se ainda com suas relíquias, num ambiente onde aconteceram tantos fatos extraordinários.

Chegando a Tambaú, os peregrinos rezaram a Santa Missa na capela do Santíssimo, logo depois foram conhecer o Santuário. Após o almoço, visitaram a modesta casa onde morou Padre Donizetti e que foi transformada em museu. Lá estavam expostos vários objetos depositados por pessoas, em sinal de agradecimento pelas graças recebidas: muletas, fotos, garrafas de bebidas, remédios etc. Retornando ao Santuário, o grupo dedicou-se à oração durante um longo período. Rezou o terço em frente à urna onde estão os restos mortais do Beato, diante da imagem milagrosa de Nossa Senhora e houve tempo, também, para a oração pessoal, em que os peregrinos pediram graças particulares e agradeceram a Deus tantas maravilhas recebidas por meio dos santos. Toda a viagem foi em clima de oração e recolhimento.

A devoção ao Padre Donizetti atrai muitos fiéis à cidade de Tambaú. Ele ficou famoso por sua vida de santidade, suas inúmeras obras sociais em favor dos pobres e pelos vários milagres realizados por ele antes e depois de sua morte. O sacerdote diocesano brasileiro nasceu em 3 de janeiro de 1882, em Cássia (MG) e faleceu em 16 de junho de 1961, em Tambaú (SP). Padre Donizetti tinha um amor imenso a Nossa Senhora. Assim que assumiu a paróquia, encomendou uma imagem para colocar na Igreja Matriz de Santo Antônio. Em 1929, um incêndio provocado por um curto-circuito destruiu completamente a igreja. Das 23 imagens que havia no local, restou intacta apenas a imagem da padroeira do Brasil, retirada do incêndio pelo Padre Donizetti. Diante do fato, o padre prometeu construir um santuário para a Virgem Santíssima. Seu desejo, porém, só foi concretizado após sua morte.

Muitas pessoas iam a Tambaú para receber a bênção do Servo de Deus. Ele abençoava o povo e aconteciam vários milagres concedidos por Deus, o que levava muitos à conversão radical de vida. Nossos propedeutas se encontraram com uma senhora que estava visitando o santuário e cujo pai testemunhou um milagre realizado pelo Beato. Segundo o relato do pai dela, assim que o Padre abençoou o povo ao final da Missa, uma jovem que estava em uma cadeira de rodas se levantou e começou a andar diante de toda uma multidão.

O milagre que levou à beatificação do padre Donizetti foi a cura do jovem Bruno. Logo após o nascimento de Bruno em 2006, sua mãe, Margarete Arruda, percebeu que seus pés eram tortos e os médicos constataram a anormalidade de difícil tratamento. Ao começar a ficar de pé, Bruno não conseguia encostar as solas dos pés no chão; pisava com as laterais dos pés e suas pernas eram arqueadas. Uma noite, a mãe colocou Bruno de pé sobre a mesa da cozinha e tentou desentortar os pezinhos dele e fazer com que ficassem retos, mas seus esforços foram em vão. Então, começou a chorar e clamou ao Padre Donizetti que curasse seu filho, pois seria muito difícil seguir com o tratamento. Disse que se recebesse tal graça levaria os sapatinhos de seu filho à casa do padre para servir de testemunho. Depois disso, a mãe fez o bebê dormir. No outro, dia ela o colocou de pé sobre a mesa e, para sua surpresa, os pezinhos dele estavam normais.   “Meu filho pisou com os pés retos e as solas dos pés tocavam a mesa! Suas pernas ainda continuavam arqueadas, mas os pés estavam pisando certo. Chegou o dia da consulta com o ortopedista. Levei meu filho juntamente com o Raio-X e o Laudo e o Dr. José Elias olhava o laudo e examinava os pés do Bruno. Depois de algum tempo, me disse: – Você acredita em Deus? Eu disse que sim e ele me disse:  – Então agradece, porque foi Ele, seu filho não tem nada nos pés, está normal! Saí de lá com lágrimas nos olhos e tão agradecida ao Padre Donizetti, Nossa Senhora Aparecida e a Deus, por terem curado os pés de meu filho”, assim ela relatou o milagre.

  Podemos dizer que o Padre Donizetti foi enviado por Deus para nos ajudar a superar a crise de fé e espiritualidade do século XX e que perdura até os dias de hoje. Que o Beato, juntamente com a Virgem Maria, possa interceder por nós, visto que “é em nome de Deus que os discípulos de Jesus operam milagres, pois tudo o que pedem ao Pai em seu nome o Pai lhes concede.” (CIC 434).

 

Wellington Matheus da Silva – Propedeuta

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Links Úteis

Contato

© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por
© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por