Irmã Maria Antônia, retorno à luz perpétua do Pai

Relendo, hoje, o texto (abaixo) elaborado por ocasião do Tríduo de Santa Beatriz da Silva, tocada pelo profundo sentimento de pesar pela passagem da nossa querida Irmã Maria Antônia, reconheço o valor de seu esforço tão sincero, caridoso e pleno de fé, em passos que seguiram, cotidianamente, o caminho de Santa Beatriz em direção ao Cristo, com o coração voltado à contemplação da Imaculada Conceição de Maria.

Em sua vida totalmente dedicada ao cumprimento da Regra da Ordem da Imaculada Conceição, Irmã Maria Antônia compôs uma harmoniosa obra voltada para Deus, com ardente aspiração de pureza, de virtudes compartilhadas com todos, sobretudo, também, mediante o exercício diário da oração. Elevamos ao Céu nosso preito de profunda gratidão por essa alma que nos deixa para habitar a Luz Perpétua do Pai, serenos diante dessa passagem abençoada.

Certamente, todos que a conheceram, sentem-se comprometidos com a continuidade do seu trabalho na Terra, fiel e perseverantemente realizado em nome de seu amor a Jesus Cristo e a Maria Santíssima, na pessoa dos necessitados de amparo material e espiritual, mediante suas orações e a ação social da Pequena Obra de Santa Beatriz, que incentivou e apoiou durante 39 anos de sua vida, desde o início das atividades.

Obras literárias de autoria da Irmã Maria Antônia de Alencar, OIC.

Ressaltamos também, sua dedicação ao delicado trabalho literário que desenvolveu e ao importante trabalho de pesquisa, historiográfico, ambos de grande valor como contribuição à difusão e divulgação da Ordem da Imaculada Conceição, em Uberaba e no contexto dos Mosteiros presentes no mundo, dentre eles, o nosso querido Mosteiro da Imaculada Conceição da Divina Providência e de São José, que integra o Santuário da Medalha Milagrosa, tão significativo para nosso município e para o Brasil todo.

A Câmara Municipal de Uberaba, por iniciativa do vereador Agnaldo Silva e mediante assinatura do vereador Rubério Santos,  prestou à Irmã Maria Antônia de Alencar, OIC, uma homenagem, recentemente, conferindo-lhe a Comenda Mário de Almeida Franco, recebida pela querida Monja Concepcionista, com humildade e respeito, no dia 07 de novembro do corrente ano de 2018.  Irmã Maria Antônia proporcionou a todos nós, a alegria de testemunhar esse reconhecimento do seu valoroso esforço que enaltece, sobretudo, seu exemplo de fé e de dedicação a Deus, como forma também, principalmente, de despertar no coração dos jovens a vocação para o serviço religioso de vida consagrada.

Rita De Blasiis

A Ordem da Imaculada Conceição, em virtude do vínculo que existe entre as Monjas Concepcionistas e a Ordem Franciscana, usa o cordão de São Francisco, à cintura. Na foto, na outorga da Comenda Mário de Almeida Franco à Irmã Maria Antônia Alencar (à frente), estão presentes, da direita para a esquerda, Maurício Araújo, OFS, da Pequena Obra de Santa Beatriz da Silva, o Padre Manoel Messias, Reitor do Santuário de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, Irmã Maria da Conceição Luísa, OIC, a autora de Literatura Infanto-Juvenil, Rita De Blasiis, simpatizante da OFS e as Irmãs Ideilda Lucas ,Creuza Cardoso e Nilza Dutra da Ordem Franciscana Secular da Fraternidade Nossa Senhora de Fátima de Uberaba.

A Ministra da Ordem Franciscana Secular e coordenadora da Comunidade Santa Clara, Mirna Spirandeli, externou o seu pesar pela triste notícia, enviando seu abraço fraterno a todas as Monjas Concepcionistas e ao Reitor do Santuário de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, Padre Manoel Messias e, especialmente, aos familiares da Irmã Maria Antônia de Alencar.

Santa Beatriz da Silva

Dia 17 de agosto: Santa Beatriz da Silva, companheira que militou em favor da dignidade feminina, orando durante 30 anos em um convento dominicano, o São Domingos, o Real, até que, um mês depois de sua morte, no dia 17 de setembro de 1511 a Ordem que ela aspirava criar foi aprovada pelo Papa Júlio II.

Fiquei pensando… O Brasil contava, então, apenas 11 anos de idade! De lá para cá, se passaram séculos e os Mosteiros se multiplicaram pelo mundo até que, na atualidade, se tornassem, aproximadamente, 155 Monastérios em 4 continentes…

[…] “em junho de 1949, sob a condução de Madre Maria Virgínia do Nascimento, as irmãs concepcionistas fixaram-se em dois endereços distintos antes de, finalmente, se mudarem para onde, ainda hoje, se encontram localizadas. Primeiro formaram o Mosteiro na Rua Gonçalves Dias, em 1951 mudaram-se para a Rua Afonso Rato e definitivamente em 1961 o Mosteiro foi estabelecido na Rua Medalha Milagrosa. Em 1957 foi lançada a pedra fundamental do Santuário da Medalha Milagrosa e desde 1955 tem se rezado a Novena Perpétua de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, infundindo esta devoção mariana tão presente em nossa Igreja Particular através das gerações[1]“.

Mosteiro da Imaculada Conceição e da Divina Providência de São José… a Capela desse Mosteiro tornou-se conhecida como Santuário de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa!

Hoje, fui à Missa em Louvor à Santa Beatriz da Silva e senti imensa gratidão pela presença abençoada das Monjas Concepcionistas em Uberaba… Presença abençoada por Deus, velada pela Mãe Santíssima, benção e amparo que se estende sobre a cidade inteira e região… Vêm pessoas de longe visitar o Santuário, orar, pedir e agradecer graças!

O que significa tudo isso? Que sentido tem para nós, um grupo de Irmãs dedicadas ao trabalho contínuo de orar, de contemplar e de meditar sobre a Imaculada Conceição, sobre nossa Mãe Santíssima? Sabemos nós quais são os frutos dessa vida contemplativa, de oração, de silêncio, de expressão de amor a Deus, através da renúncia a tudo aquilo que nos satisfaz e nos seduz e por vezes, até, nos arrasta por caminhos desarmoniosos e infelizes?

Faz sentido para muitos, para outros, talvez não… Mas, nesse dia de hoje, enquanto colocava flores aos pés da imagem de Santa Beatriz da Silva, eu agradecia por, pelo menos, compreender que “no silêncio do claustro, uma oração se eleva a Deus, qual incenso agradável, eis nossa oferta, Senhor!”

Que de bênçãos vêm para os uberabenses, descidas do Céu em resposta a essas orações, “no silêncio do claustro”?

Nesse lindo dia de louvor à Santa Beatriz da Silva, data de seu falecimento em Toledo na Espanha, em 1492, temos, sim, muito a agradecer!

Quem puder, venha à Solenidade em Louvor à Santa Beatriz da Silva no Santuário de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, tragam flores e venham mesmo, de coração feliz e em paz, ou de coração sofrido e contrito, haveremos de nos unir e de nos confortar, na presença de Nosso Senhor Jesus Cristo, que ela seguiu com tanto fervor e sacrifício pessoal e de nossa Mãe Santíssima, que espera que lhe peçamos as graças que ela pode nos conceder!

Rita De Blasiis

[1] Disponível em:< https://arquidiocesedeuberaba.org.br/espaco-memoria/santuario-da-medalha-milagrosa-1949/>. Acesso em: 17 ago. 2018.

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *