Sagrado Coração de Jesus, uma história de devoção

Devoção

Em 1673, Santa Margarida Maria de Alocoque começou a ter uma série de revelações que a levaram à santidade e ao impulso de formar uma equipe de apóstolos da devoção ao Sagrado Coração. Jesus deixou doze grandes promessas às pessoas que, aproveitando-se da Sua Divina Misericórdia, participassem das comunhões reparadoras das primeiras sextas-feiras. Disse Ele, numa dessas ocasiões a Santa Margarida Maria: “Prometo-te, pela Minha excessiva misericórdia e pelo amor todo-poderoso do meu Coração, conceder a todos os que comungarem nas primeiras sextas-feiras de nove meses consecutivos, a graça da penitência final; não morrerão em minha inimizade, nem sem receberem os sacramentos, e Meu Divino Coração lhes será seguro refúgio nessa última hora”.

A devoção ao Sagrado Coração tem sua origem na Sagrada Escritura.No Brasil a devoção chegou a partir de meados do século XVIII, trazida por diversas Congregações Religiosas de origem europeia. A vinda do Coração de Jesus visava também a colaboração com o Episcopado na Reforma Católica do clero e do povo cristão. Assim, a devoção se espalhou e igrejas de todo o mundo escolheram o Sagrado Coração de Jesus como padroeiro.

Exemplo é Uberaba, onde o padroeiro está registrado na Bula de Criação da Diocese de Uberaba, assinada pelo São Papa Pio X: “Erigimos a cidade principal existente nesta região, chamada Uberaba… Constituímos ainda a Egreja, dedicada ao SS. Coração de Jesus, Egreja Cathedral sob o mesmo titulo e invocação e nella erigimos e constituímos a Sé e a dignidade episcopal para um Bispo que se chamará de Uberaba”.

A criação da paróquia do Sagrado Coração de Jesus em Uberaba, está vinculada à então Diocese de Goiás, aconteceu em 02/03/1820, por ato do rei de Portugal – e não por ato de um Bispo, já que os padres eram “funcionários de cartório” a serviço do Império.

Quando o bispo de Goiás, Dom Eduardo Duarte da Silva solicitou ao Vaticano, em 1890,  que fosse criada uma diocese em Uberaba, e fundou a primeira Associação do Sagrado Coração de Jesus em Uberaba em 1881. O Vaticano aceitou, desde que se construísse uma catedral – a obra foi concluída em 30/09/1905, e inaugurada em 27/01/1907. Assim, com a criação da Diocese de Uberaba em 29/09/1907, o novo templo passou à condição de catedral. Tornou-se Catedral Metropolitana com a elevação da Diocese a Arquidiocese de Uberaba em 14/04/1962.

A Arquidiocese de Uberaba tem como padroeiro o Sagrado Coração de Jesus, enquanto os padroeiros da cidade são Nossa Senhora da Abadia, instituída pela Lei Municipal 10.196, de 14 de agosto de 2007, Santo Antônio e São Sebastião, padroeiros desde a fundação do município.

Primeira Capela

A primeira capela construída na região de Uberaba data de 1807, nas Cabeceiras do Córrego do Lajeado, Arraial da Capelinha nas terras de propriedade de José Francisco de Azevedo.  Em 1812, as imagens de Santo Antônio e São Sebastião, os padroeiros, foram entronizadas.

Com a mudança, em 1815, dos moradores do Arraial da Capelinha para o novo Arraial da Farinha Podre, Uberaba, o Sargento-Mor Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira (Major Eustáquio) construiu uma nova Capela, na Praça Frei Eugênio, com a mesma invocação de Santo Antônio e São Sebastião, sendo benzida e liberada para as cerimônias religiosas, em 1º/12/1818. Em 02/03/1820, com a instalação da Freguesia, esta Capela foi elevada à Categoria de Paróquia, que funcionou até o ano de 1856, tendo como vigário o padre Antônio José da Silva – Vigário Silva.

A nova (ou segunda Igreja) foi construída a vinte metros abaixo da primeira – onde hoje está a atual Catedral de Uberaba –, com a ajuda de cidadãos beneméritos e começou a funcionar entre 1853/1854. Antônio Borges Sampaio, quando mudou para Uberaba (1847), encontrou a Matriz nova inacabada, tendo apenas o telhado sobre os esteios e baldrames de aroeira, sem paredes nem assoalhos. Em 1848, o capitão Joaquim Antônio Rosa retomou a sua construção cujas obras prosseguiram até 1856.

Essa Igreja passou por várias reformas e melhorias: Em 1857, Frei Eugênio construiu a Sacristia e o Adro; em 1859, Joaquim Francisco Ananias aumentou a Igreja para a frente e construiu as duas torres, o coro, o arco-cruzeiro e o altar-mor; entre 1867 e 1868, o Capitão Joaquim Antônio Rosa mandou revestir as  torres  de tijolos, argamassa e óleo, colocando nelas mais tarde dois sinos de cerca de trinta e cinco arrobas cada um, que ainda hoje se conservam na Catedral; em 1874, o relojoeiro Florêncio Forneri assentou o relógio em uma das torres – que veio do Rio de Janeiro e funcionou durante 25 anos, doação do capitão Manoel Rodrigues da Cunha. Em 1880 foram colocados dois sinos, fundidos em Uberaba, por José Carlos Onofre. Em 1896 as duas torres foram demolidas e edificada uma única torre, projetada pelo engenheiro Ataliba Vale, com características neogóticas e em 1899, com a transferência da sede do Bispado de Goiás para Uberaba, a Igreja Matriz alcançou as prerrogativas de Catedral.

Em 1907, com a inauguração da Igreja Sagrado Coração de Jesus (hoje Adoração Perpétua), para ser a Catedral, e o atual templo da praça Rui Barbosa voltou a ser Matriz de Santo Antônio e São Sebastião. Em 1926, Dom Almeida Lustosa, 2º Bispo de Uberaba, transladou a Igreja Catedral para a Matriz de Santo Antônio e São Sebastião, com seu título de Sagrado Coração de Jesus, passando os Santos da primitiva Capela à Igreja da Adoração Perpétua. Em 1933 a matriz passou por sua última reforma total, permanecendo como está até os dias atuais. Foram acrescentados um transepto, capelas laterais e modificações no frontispício. O arquiteto responsável pelas obras foi Emanuel Giani.

Por Maria das Graças Salvador e Aparecida Manzan.

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *