Arquidiocese de Uberaba promove Encontro Formativo a nível arquidiocesano para os coordenadores dos Conselhos Pastorais Paroquiais (CPPs)

           Neste sábado (17), os coordenadores e vice coordenadores dos CPP’s se reuniram no Salão da Paróquia do Santíssimo Sacramento (Adoração) em Uberaba para um encontro formativo de todas as paróquias da Arquidiocese. O objetivo do encontro é apresentar propostas concretas de ação para que as lideranças leigas, juntamente aos seus párocos, possam dinamizar o Ano do Laicato nas paróquias.

           A formação foi promovida pelo Conselho Arquidiocesano de Leigos, coordenado por Suely Fernandes e assessorado pelo padre Padre Rogério Consentino de Aguiar, juntamente com o arcebispo, Dom Paulo Mendes Peixoto, e padre Fábio Meira, coordenador de pastoral.

           O arcebispo de Uberaba, Dom Paulo Mendes Peixoto, explica que o encontro formativo é realizado no contexto do Ano do Laicato e visa despertar o compromisso de cada leigo, cada leiga, com o “Ser Igreja” nos dias atuais. “A base dessa formação é o Documento 105 da CNBB que fala sobre leigos e leigas. É um momento formativo que cria também uma unidade na Igreja particular de Uberaba”, disse Dom Paulo. Para o arcebispo, mesmo não estando presentes todas as paróquias, esta formação cria uma linguagem comum entre as paróquias e pastorais. “Que ao menos todos saiam desse encontro com o objetivo de criar em sua Diocese uma unidade pastoral. Claro que temos que entender que existe diversidade de propostas e iniciativas, mas que seja uma diversidade que contribua para a unidade, não para a separação. A unidade é fundamental para que o processo, principalmente a Iniciação à Vida Cristã, possa dar passos significativos na nossa comunhão”, afirma Dom Paulo.

            Formação – Tema 1: “Iniciação à Vida Cristã”

           Seguindo a pauta do encontro, a formação teve início com padre Fabiano Roberto, assessor da Comissão Bíblico-Catequética, que abordou o Documento 107 da CNBB: “Iniciação à vida cristã: itinerário para formar discípulos missionários”. Padre Fabiano disse vir insistindo em explicar que a mudança proposta pela Igreja, no método catequético, não é uma mudança do método pelo método, e sim a mudança no conceito. O sacerdote disse que é fundamental se perguntar: onde nós queremos chegar trilhando a Iniciação à Vida Cristã? Pois somente quando estiver claro “onde” se quer chegar é que o caminho será traçado.

           Para padre Fabiano, existe muita confusão em torno da mudança do método catequético porque as pessoas colocam o foco no resultado, mas o foco deve ser o caminho para se chegar ao resultado, ou seja, o ponto central da reflexão deve ser a experiência em si. “Nós queremos resultado ou nós queremos a experiência de Jesus? Se queremos resultado, não precisa mudar nada, porque índices nós temos. Quantos batizados, primeiras comunhões e crismas? Números nós temos, mas não queremos números, queremos comprometimento. Se nós queremos a experiência, o caminho tem que ser mudado. Hoje a nossa Arquidiocese necessita mudar o caminho, para que de fato nós alcancemos a experiência”, afirmou.

            Padre Fabiano cita Carl Jung: “nós queremos o resultado, mas não queremos a experiência”. O sacerdote insisti que resultado por resultado a Igreja já tem, mas o que precisa ser alcançado é a experiência de Jesus Cristo, para quebrar esse quadro de ‘resultado por resultado’. O objetivo real é proporcionar um itinerário que forme discípulos missionários e não apenas a busca e preparação para os sacramentos. “Batizado nós temos, mas não temos gente comprometida depois do batizado. Primeira Comunhão nós temos, nossas igrejas ficam lotadas, mas depois poucos permanecem”, conclui.

           Formação – Tema 2: “Identidade, vocação, missão e espiritualidade dos cristãos leigos e leigas”

           Na sequência, padre Padre Rogério Consentino de Aguiar, assessor do Conselho Arquidiocesano de Leigos e CPP, realizou o momento de formação com o tema: “Identidade, vocação, missão e espiritualidade dos cristãos leigos e leigas”. Padre Rogério falou sobre o objetivo geral para o Ano do Laicato: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; e testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.

           O sacerdote explicou que esta formação é fruto do trabalho do Conselho Arquidiocesano de Leigos, que desde a 1ª Assembleia do Povo de Deus, realizada em novembro de 2016, assumiu com carinho o trabalho de motivação dos CPPs em toda a arquidiocese. “Esperamos, confiantes, que nossas lideranças leigas tenham retornado às suas paróquias com o ardente desejo de realizar inúmeras atividades em favor dos leigos e leigas, e de suas paróquias, despertando-os para a importância de sua atuação na Igreja e na sociedade”, disse confiante padre Rogério.

           Para a coordenadora do Conselho Arquidiocesano de Leigos e CPP, Suely Fernandes, é preciso despertar nos leigos e leigas cada vez mais seu protagonismo na Igreja, para que assumam sua missão de batizados e sejam uma “Igreja em saída”, como bem enfatiza o Papa Francisco. “Sermos Igreja no trabalho, na rua, na vizinhança e até mesmo dentro da nossa própria casa, não ficarmos somente dentro do ‘templo igreja’”, disse a coordenadora.

           Suely conta que a motivação para organizar este encontro veio de uma formação anterior, realizada em 2017. “Eles pediram muito que propiciássemos outro encontro, no mesmo estilo, pois eles necessitam de muita formação e informação. Assim sendo, atendemos ao pedido”.

           A coordenadora faz um belo chamado a sermos “sal da terra e luz do mundo” (Mt 5, 13-14), lema do Ano do Laicato: “É necessário sermos sal, luz e fermento para que o alimento tenha sabor. De que adianta o sal ficar única e exclusivamente dentro do saleiro? Ele só terá o verdadeiro valor se for usado para temperar os nossos alimentos. Sermos luz para iluminar a vida do nosso irmão. E onde quer que estejamos que as pessoas sintam em nós o testemunho, a fé viva que temos em Cristo e por Cristo. Assim, que os leigos atuem e se dediquem às pastorais, movimentos e serviços em nossas paróquias e comunidades. Para que eles possam realmente fazer uma boa caminhada é imprescindível que o CPP e o Conselho Administrativo sejam colocados em prática. Que os leigos possam sentar juntamente com seu padre para planejarem e executarem os seus trabalhos pastorais e administrativos. Somente assim, leigos e padres, unindo-se, é que realmente a nossa Igreja poderá realmente obter sucesso. Que Deus abençoe os leigos, leigas e os padres para que possamos transformar este ANO DO LAICATO em um ano de muito sucesso, alegrias e realizações. Para que o mesmo frutifique e possamos colher bons frutos!”.

Jordana Moreira
Assessora de Imprensa

                   

Compartilhe!
1 responder
  1. Avatar
    Marcia Maria Carvalho Geraldo says:

    Falar o que Deus quer para cada um de nos, exige verdadeiro conhecimento . Na igreja temos verdadeiro

    esouro,Sagrada Escritura, Catecismo. Reconciliei-me com a Igreja à apenas nove anos, nadando contra a corrente ,
    hoje afirmo que amo a Igreja Catolica.Na comunidade a qual participo se tivesse olhado para o exemplo das pessoas
    que fazem parte da linha de frente sairia correndo. Mas sem generalizar, o que falta muitas vezes e um verdadeiro
    aqcolhimento e interesse de alguns Padres , eles sao os primeiros catequistas da comunidades

    Responder

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *