Dom Antônio de Almeida Lustosa está em processo de beatificação

Assessor teológico da Comissão de apoio à causa de beatificação de Dom Lustosa esteve em Uberaba na última semana para buscar informações para a pesquisa histórica

Dom Antônio de Almeida Lustosa foi bispo de Uberaba no período de 1925 a 1929 e realizou grandes feitos durante os quatro anos que esteve à frente da então Diocese, uma vez que Uberaba foi elevada a Metrópole de uma Província Eclesiástica apenas em 14 de abril de 1962.

Na última semana, Pe. Abimael Francisco do Nascimento, msc, assessor teológico da Comissão de apoio à causa de beatificação de Dom Lustosa, esteve em Uberaba para pesquisar informações para complementar e ampliar a pesquisa histórica, uma das fases do processo de beatificação. “Levantamos as virtudes, apresentamos à Roma para a causa dos santos. Ao reconhecerem, passa para a beatificação”, explica Pe. Abimael.

Pe. Abimael no Arquivo da Arquidiocese de Uberaba

De acordo com o assessor, um dos motivadores para abrir a causa de Dom Lustosa foi São João Paulo II, quando esteve em Fortaleza, em 1989. Na ocasião, o então papa João Paulo II invocou Dom Lustosa como “santo e sábio”.

O caminho para a declaração de santo é difícil e demorado, mas possível, devido aos testemunhos de sinais – como são chamados os “milagres” antes de serem reconhecidos em Roma, ocorridos por intercessão de Dom Antônio de Almeida Lustosa, falecido em 14 de agosto de 1974 em Carpina (PE).

Pe. Abimael convida o povo a rezar pedindo graças, sinais, por intercessão de Dom Lustosa. “Quero agradecer imensamente a acolhida e colaboração de todos em Uberaba. Agora estou catalogando o material para enviar à Causa em Roma. Hoje, terça-feira (17), teremos uma reunião da Comissão onde já apresentarei o material”, informa Pe. Abimael.

O episcopado de Dom Lustosa em Uberaba

Dom Lustosa foi nomeado bispo por Pio XI e tomou posse em Uberaba no dia 1° de março de 1925. Já em sua primeira carta circular consagrava sua diocese ao Sagrado Co­ração de Jesus, determinando que em todas as paróquias da Diocese, em de­terminado dia fixo de cada mês, houvesse, durante todo o dia, a exposição do Santíssimo Sacramento, com o maior número de adoradores possível.

Dom Lustosa conseguiu do Papa Pio XI, a 20 de maio de 1926, a transferência da antiga Catedral de Uberaba das Mercês para o centro da cidade. Devoto de Santa Teresinha do Menino Jesus, dedicou sua 21ª Circular a Santa Teresinha e presenteou cada paróquia com uma estátua da santa. Desejou erigir o Santuário Diocesano de Santa Teresinha no bairro Fabrício, cuja pedra fundamental foi benta por Dom Lustosa a 27 de dezembro de 1927.

O bispo trabalhava a favor da instrução primária do povo, criando em todas as paróquias as chamadas “Escolas Populares do Sagrado Coração de Jesus”, como oportunidade de instrução religiosa nos Grupos e nos centros rurais de catecismo.

Dom Lustosa era salesiano, tinha uma Diocese de 150.000 quilômetros quadrados e só 22 vigários para 40 paróquias. Pediu então apoio dos padres salesianos a quem o bispo a 12 de novembro de 1927 confiava a Paróquia de São Domingos, em Araxá (MG).

Em Água Suja, Romaria (MG), havia uma capelinha em ruínas, mas muito frequentada, o que preocupava o bispo, que a 12 de maio de 1925, autorizou o início do novo Santuário de Nossa Senhora da Abadia de Água Suja, construindo-se a nova igreja envolvendo toda a antiga, logo em seguida demolida. Mais tarde, a mesma técnica em 1962, seria usada na atual igreja de Santa Teresinha, no bairro Fabrício.

Dom Lustosa pede e consegue da Santa Sé sua dispensa pela qual a 17 de dezembro de 1929 foi transferido para Corumbá (MT), saindo de Uberaba sem despedidas oficiais, com posse na nova Diocese a 28 de dezembro do mesmo ano. Foi eleito Arcebispo de Fortaleza (CE). Ali viveu uma vida de virtudes cristãs em grau heroico, como tais já reconhecidas ao início, em Roma, da causa da beatificação do segundo bispo de Uberaba. Caminho à declaração de santo, caminho difícil e demorado, entretanto não totalmente impossível no caso de Dom Lustosa falecido em 14 de agosto de 1974 em Carpina (PE).

Informações retiradas do site da Arquidiocese de Uberaba

Confira fotos da vinda de Pe. Abimael à Uberaba

 

LEIA MAIS

Pe. Abimael marca presença na Rádio Metropolitana

 

Compartilhe!
0 respostas

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *