O discernimento

No mês de agosto refletimos sobre um tema de destaque, o problema vocacional na vida das pessoas. Ele acontece sempre como consequência de projeção na realização de vida, de escolhas, de discernimento e cumprimento do que vem do interior do indivíduo, uma inspiração natural e de iniciativa divina. Os tempos pedem de nós todos a capacidade de fazer escolhas maduras e sinceras.

Em setembro investimos no tema “bíblia”, Mês da Bíblia, da Palavra divina, que orienta e capacita as pessoas para que façam escolhas através de autêntico discernimento. É o divino dom da sabedoria, que abre as mentes das pessoas para comprometimento existencial e engajamento na construção de um mundo social melhor, habilitado para viver a riqueza da fraternidade humana.

Discernimento significa escolha e disposição para realizar o que for melhor, sem ódio, sem divisão, sem mentiras e difamações e sem fomento de violência. São práticas que dependem muito da capacidade de abstração e de sensibilidade sobre aquilo que ajuda as pessoas a melhor viver, mesmo sabendo que as possibilidades vão muito além do que conseguimos conhecer.

A mente humana consegue perceber as realidades terrenas e trabalhar para que sejam utilizadas para o bem comum. Escapa ao ser humano a capacidade de entender e discernir sobre as realidades divinas, sobrenaturais, a não ser com a inspiração do Espírito Santo. Aqui dizemos de sabedoria humana e divina, pois são dois níveis que se complementam para a plena realização de uma pessoa.

Existe o perigo de projetos ambiciosos e ganância de ter sempre mais, além dos limites possíveis, fazendo o indivíduo se iludir achando que é todo poderoso. Em grande parte, é incapacidade para discernir e entender a verdadeira realidade da vida humana. Pois a nenhum ser humano foi dado plenos poderes de agir como absoluto, como onipotente e dono da verdade, porque isto pertence a Deus.

Há uma profunda relação do discernimento com a virtude da prudência ao empreender algum projeto importante na vida, para não cair em situação de fracasso. Para tudo é necessário sentar e refletir sobre o caminho a percorrer com segurança. As escolhas feitas na vida cristã devem ser todas fundamentadas na orientação da Palavra de Deus e em sintonia com a realização do bem comum.

Dom Paulo Mendes Peixoto

Arcebispo de Uberaba

Compartilhe:

© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por
© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por