O dom da paternidade espiritual de Frei Gabriel As obras da Casa da Criança Santo Antônio de Pádua

Caro leitor: paz e bem!

No texto passado, conhecemos um pouco mais sobre duas obras sonhadas e realizadas por Frei Gabriel e seus benfeitores: o Asilo Pio XII e o Hospital São Francisco de Assis. Também vimos como a Divina Providência não deixava faltar nada. Nesse nosso novo encontro mensal, veremos sobre mais uma obra que está relacionada ao apostolado e ao cuidado misericordioso exercidos pelo Servo de Deus Frei Gabriel de Frazzanò em Frutal, seu chão sagrado.

Já sabemos, aliás, que o Servo de Deus Frei Gabriel veio para o Brasil como Missionário Capuchinho e que aqui se dedicou à implantação da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, mas também ao cuidado misericordioso, afetivo e efetivo daqueles que mais necessitam. Sabemos que em sua infância Frei Gabriel experimentou a orfandade de mãe e a realidade desafiadora de ser colocado pelo pai em um orfanato. Desta forma, Frei Gabriel sabia na pele o que era viver uma infância marcada pelas dificuldades e angústias. Por isso, outra realização notável de Frei Gabriel em favor dos necessitados foi a Casa da Criança Santo Antônio.

A inauguração da Casa da Criança deu-se no dia 4 de janeiro de 1970, com a presença de Frei Gabriel e muitas pessoas amigas e diversas autoridades. Frei Benigno Rodrigues Ávila, então vigário da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, deu a bênção litúrgica e enalteceu na ocasião a importância da nova instituição na formação das crianças necessitadas da cidade e da região.

O então Prefeito Municipal, Homero Alves de Souza, em nome da cidade, destacou com rara felicidade o trabalho de alto alcance social realizado por Frei Gabriel. Na mesma hora, foi recebida a primeira criança, um menino chamado Demétrio. Em nome do Frei Gabriel falou agradecendo ao Dr. José Buzollo.

Em 1971, a senhora Maria Nunes, uma senhora muito atenciosa e comprometida, dirigia a Casa que contava então com 31 menores (só meninos). As crianças assistidas eram de dois a quatorze anos. A Diretoria da Casa foi escolhida pela Assistência Social Paroquial e a manutenção feita através de ofertas do povo, sendo assim, uma obra social conjunta ao Asilo Pio XII.

O ambiente da Casa da Criança Santo Antônio sempre foi sumamente agradável. Logo na entrada existia no pátio uma pequena piscina. Os dormitórios e refeitórios eram divididos para meninos menores e maiores. A dispensa, a cozinha, a sala de estudos e de lazer (com um aparelho de TV), tudo limpo e bem arrumado. Percebia-se, e ainda se percebe, também na Casa da Criança os valores da simplicidade, do cuidado e do carinho franciscano com os mais necessitados, valores estes ensinados pelo Servo de Deus Frei Gabriel com o testemunho de sua vida.

No quintal amplo havia criações, horta de verduras e um variado pomar especialmente de caju, banana e manga. Vê-se ainda um edifício, feito no tempo de Frei Gabriel, onde deveria funcionar uma escola profissional para os alunos maiores. Esse era o plano do frade. Mas este sonho ele não conseguiu ver realizado. O prédio hoje serve de armazém e dispensa, anexo à Casa.

Após a morte de Frei Gabriel, a obra ficou nas mãos de seus confrades: Frei Cristóvão Figueiredo e, depois, Frei Mauro Bazanni. Eram eles, cada qual em seu tempo, que respondiam pela manutenção da Casa da Criança e do Asilo Pio XII. Após a triste saída dos frades de Frutal, a Assistência Social Paroquial continuou e continua ainda hoje, zelando e mantendo as obras de Frei Gabriel.

No refeitório da Casa da Criança, bem à vista, um retrato grande de Frei Gabriel. As crianças o fitam e o chamam de “vovô Gabrié”. Rezam para ele e dizem, inclusive, que há dias em que o “vovô” sorri de volta para elas. A zeladora, Maria Nunes, rememora saudosa os dias de muita alegria em que Frei Gabriel ali chegava carregando embrulhos e mais embrulhos para os internos. Eram balinhas, doces e outras guloseimas que eram distribuídas a granel e com um canto alegre em italiano pelo frade. Nestes momentos, era vivida uma simples e grande festa! Nestas horas, ele participava com alegria comum e infantil.

Outras muitas vezes tomava refeição, especialmente o almoço, com os meninos, alegrando o coração solitário da zeladora e os pequenos corações que em sua volta pulavam e gritavam de acordo com a própria natureza. Frei Gabriel foi, além de o apóstolo dos pobres, dos enfermos e dos velhos, o pai espiritual das crianças sem lar e sem pais.

Só no fim é que ele mostrava já alguma impaciência, o que é lógico, em vista da idade e das enfermidades que o acometiam. Mas nunca foi grosseiro ou menos amigo das crianças.

Nestas horas lembramos de Jesus, segundo o Evangelho de São Mateus: “Os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: ‘Quem é o maior no reino dos céus?’ Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles e disse: ‘Em verdade vos digo, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, não entrareis no reino dos céus. Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no reino dos céus. E quem recebe em meu nome uma criança como esta é a mim que recebe…’”. Assim, o Servo de Deus Frei Gabriel de Frazzanò, professando a Regra Franciscana, vivendo o Santo Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, modelado pela identidade Capuchinha, exerceu o apostolado de misericórdia também com as crianças mais necessitadas.

Ainda hoje a Casa da Criança continua em Frutal o trabalho de cuidado das crianças e carece de nossa ajuda, espiritual e material. Aprendamos com Jesus e com Frei Gabriel a nunca deixar de fazer o bem. Como falta no mundo de hoje a verdadeira misericórdia! Contudo, hoje, nós, os continuadores da missão de Jesus, podemos ver a presença viva de cuidado, de amor e de misericórdia.

“Para onde ir?” – exclamava Charles de Foucauld. E respondia:

“Ir à ovelha mais desgarrada, ao irmão de Jesus mais doente, aos mais abandonados, àqueles que têm menos pastores, àqueles que estão sentados nas trevas mais espessas, na sombra da morte mais profunda, aos mais dominados pelo demônio, aos mais cegos, aos mais perdidos.” (Ecrits spirituels, p. 206).

Caros leitores, por hora, ficamos por aqui. Desejamos uma Santa Quaresma e uma boa preparação para vivermos a Páscoa de Jesus Cristo. Adiantamos que no dia 23 de abril, sábado, teremos a I Romaria da Misericórdia em Frutal. Que possamos nos reunir, observando os protocolos de segurança previstos para esse tempo de pandemia, para rezar juntos suplicando a misericórdia de Deus, a exemplo do Servo de Deus Frei Gabriel de Frazzanò. Para aqueles irmãos e irmãs que desejarem participar, divulgaremos a programação.

Aproveitando este tempo da Grande Quaresma e estimulando a prática da caridade, recomendamos, como propósito quaresmal, a colaboração e doações para a Casa da Criança Santo Antônio, em Frutal. Entre em contato e saiba como fazer sua doação:

Casa da Criança Santo Antônio
Rua Pio XII, nº 487
Cep. 38200-000, Frutal | Minas Gerais
Telefone: (34)3423-8225 | (34)9 974-6133
Facebook: @casadacriancafrutal

Fraternalmente, que Deus abençoe a todos!
Paz e Bem.

Frei Gabriel e as crianças na frente da Casa da Criança (Arquivo PROCAMIG)


O Servo de Deus Frei Gabriel de Frazzanò (Arquivo PROCAMIG)

Fr. Vicente da S. Pereira, OFMCap
Fr. Glaicon G. Rosa, OFMCap

Compartilhe:

© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por
© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por