Que Deus você quer?

Olá!

Não é preciso muito conhecimento ou estudo – basta prestar atenção nas leituras proclamadas nas missas dominicais – para perceber algumas diferenças entre a imagem que o povo escolhido por Deus tinha a seu respeito, expressa no Antigo Testamento, e a verdadeira que foi personificada em Jesus Cristo, testemunhada pelos apóstolos e proclamada no Novo Testamento. Antes, tínhamos um Deus guerreiro que dominava, que condenava, que castigava. Em Jesus encontramos o Deus que acolhe, que tem misericórdia, que perdoa. E veja que o próprio Jesus disse: “Não pensem que eu vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim abolir, mas dar-lhes pleno cumprimento” (Mt 5,17).

Ou seja, Jesus nos apresentou um novo modo de cumprir a Lei, a mesma Lei, não ficando na prática superficial, mas mergulhando em seu verdadeiro sentido, baseado no amor, na fraternidade, mesmo em relação às pessoas que não pensem ou ajam como nós. Tanto que, na sequência dessa passagem bíblica das bem aventuranças, Jesus acrescenta: “E se vocês cumprimentam somente seus irmãos, o que é que vocês fazem de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa?” (Mt 5,47).

Coerentemente, Jesus sentou-se à mesma mesa, comeu e dialogou com os pecadores, como Levi, o cobrador de impostos, depois chamado Mateus, um dos doze apóstolos e que escreveu um dos Evangelhos.

Em outra passagem, os doutores da Lei e os fariseus trouxeram a mulher adúltera para que Jesus a condenasse, mas eles mesmos tiveram vergonha de condená-la quando confrontados com seus próprios pecados. Então, Ele disse à pecadora: “Eu também não a condeno. Pode ir e não peques mais” (Jo 8,11). Jesus não é conivente com o pecado, com o mal – e nós também não devemos ser. Mas Ele agiu com misericórdia – e nós também devemos agir assim.

Infelizmente, há entre nós, irmãos na fé, quem ainda busque aquele Deus que condena e que separa os “impuros”, como está na lei judaica sobre o leproso: “Ficará impuro enquanto durar sua doença. Viverá separado e morará fora do acampamento” (Lv 13,46). Mas o que fez Jesus? Tocou no leproso e ele ficou curado (Mc 1,40-42).

Eu poderia citar ainda outras passagens que confirmam a boa nova anunciada por Jesus, Deus acolhedor e misericordioso, mas creio que você já entendeu.

Então, e você? Que Deus você quer?

Luiz Villela
“in viam pacis”

Compartilhe:

© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por
© Copyright Arquidiocese de Uberaba. Feito com por